Logo TecBan menu
Logo TecBan menu
Fachada TecBan
TecBan
39 anos criando, transportando e compartilhando valor.
insurtech

Insurtechs: o que são e como vem mudando o mercado

18/03/2022 15 min de leitura

Quem trabalha no mercado de seguros sabe o quanto as novas tecnologias têm impacto direto nos processos. Por conta disso, a mais nova tendência da área atende pelo nome de insurtech.

Você já ouviu falar sobre as insurtechs? Esse conceito, apesar de recente no mercado, já irradia efeitos nas companhias. Assim como oferece novas experiências e benefícios aos usuários.

Neste texto, vamos fazer uma abordagem abrangente sobre as insurtechs, falando também sobre o Open Insurance. O tema é de seu interesse? Então, siga com a leitura para saber um pouco mais sobre o assunto.

O que são insurtechs?

O primeiro passo é, sem dúvidas, iniciar o texto explicando o que são as insurtechs. O termo tem origem no inglês, unindo as palavras "insurance", que significa seguro, com "technology", que é tecnologia.

Em resumo, podemos dizer que insurtechs são startups que desenvolvem sistemas para simplificar a contratação de seguros. Por essa razão, também são chamadas de startups de seguros, com o mesmo significado.

Todo seguro, por mais básico que seja, conta com uma burocracia que, inevitavelmente, faz parte da adesão. Isso acontece porque esses serviços envolvem bens importantes, com valores, às vezes, inestimáveis.

No entanto, isso acaba afastando as pessoas que possam precisar dos serviços. O surgimento das startups de seguros visa evitar que isso aconteça, simplificando a adesão a um seguro.

Qual o seu propósito?

Como mencionamos, insurtechs são startups que têm o objetivo de desenvolver sistemas de simplificação de processos. Esses novos sistemas ajudam na redução da burocracia que existe ao se contratar um seguro.

No entanto, o mercado de hoje em dia já é ligado ao digital. Basta ver, por exemplo, que ir ao banco já se tornou algo obsoleto para transações simples.

O mercado de seguros, portanto, se prepara para os novos tempos. O grande propósito das startups desse segmento é sair do funcionamento tradicional e implementar mudanças que possam conversar com o mundo digital.

Como as startups de seguros surgiram?

Agora que você já sabe o que são as insurtechs, vamos falar mais sobre como surgiram as startups de seguros. As insurtechs são o tipo de inovação que, apesar dos setores correlatos terem sofrido uma boa evolução tecnológica, ainda é tido como algo novo.

O setor de seguros, há poucos anos, ainda trabalhava de forma tradicional. Isso fazia com que os processos fossem burocráticos, sem novidades tecnológicas e de atendimento lento.

Com a chegada da era da internet e de tecnologias como oOpen Banking (compartilhamento de dados com instituições autorizadas pelo Banco Central do Brasil), o consumidor passou a exigir mais do nicho específico de seguros.

Apesar de não haver um momento certo que aponte para o surgimento das insurtechs, podemos citar a década de 2010 como a virada para o digital estar cada vez mais presente na experiência do consumidor.

Houve grande influência das fintechs nos novos modelos de negócios e a impulsão ocorre a partir da demanda da era digital. Que é o que desencadeia a maioria das transformações que vemos no mercado.

Como as insurtechs funcionam?

Como explicamos, as startups de seguros têm como premissa básica o desenvolvimento de sistemas digitais para tornar mais simples o processo de contratação de seguros.

Seu funcionamento se dá por meio da conexão entre a empresa seguradora e o cliente, ocorrendo por conta das inovações na área tecnológica. São utilizadas ferramentas como IA (inteligência artificial), machine learning e outras com o objetivo da prestação de serviços em plataformas digitais.

Da mesma forma que as startups de seguros visam a simplicidade, os aplicativos e features das insurtechs devem ser de uso simples, atendendo mesmo a pessoas leigas no assunto.

As insurtechs apenas intervêm de forma a dar mais rapidez nos processos e assegurar uma experiência prática aos usuários.

Como tem sido a sua evolução?

Com todos esses benefícios e atendimento aos preceitos da era digital, como está a evolução das insurtechs no Brasil? É possível ressaltar um aumento no atual mercado de startups de seguros no Brasil. Essa expansão pode ser mais bem demonstrada por meio de números e levantamentos recentes. 

Insurtechs por região

Houve um aumento nesse tipo de empresa bem expressivo. No ano de 2020, apesquisa da Distrito mostra um total de 113 startups de seguros no Brasil.

Em questão demográfica, o Sudeste do Brasil contabiliza quase 75% das insurtechs do país, com mais de 50% no estado de São Paulo. Seguindo na lista, o Sul do Brasil abriga 17,7% das startups de seguros do país, logo depois vem o Centro-Oeste (4,45%), o Nordeste (2,7%) e o Norte com (0,9%).

Insurtechs por país

Segundolevantamento da Digital Insurance LatAm, as startups de seguros do Brasil representam 37% de toda a América Latina.

Insurtechs em reais

Dados da Distrito mostram grande investimento no setor. Só no Brasil, as empresas que focam em tecnologia e seguros já investiram mais de US$ 349.000.000,00. Metade do valor milionário foi aplicado apenas nos últimos dois anos.

Quais os seus benefícios?

Agora que você já sabe bastante sobre o mercado de tecnologia aplicado para seguros, vamos adiante. Neste tópico, vamos tratar dos benefícios da implantação das insurtechs. Leia mais!

Diminuição da burocracia

Uma das premissas básicas das startups de seguros é que elas reduzem a burocracia. Como mencionamos, a maioria das prestadoras de seguro ainda assusta um pouco o cliente por serem excessivamente burocráticas na hora de oferecer seus serviços.

Com maior simplicidade em seus termos, a seguradora e clientes serão beneficiados. É importante, para conversar como princípio da simplicidade e rapidez, sempre tentar tornar mais fácil a vida do cliente.

Isso inclui desburocratizar contratos, exigir menos documentos e mitigar as multas, dentro do possível. Outro exemplo que podemos dar para a redução da burocracia é a isenção de taxas de cancelamento.

Facilidade na contratação

Outro benefício das insurtechs é que seus serviços são de fácil acesso e contratação pelos usuários. Isso decorre exatamente do benefício anterior, que visa diminuir a burocracia para os clientes. O seguro perfeito para o usuário está apenas a alguns cliques de distância.

As insurtechs, por conta do caráter célere e eficiente, prezam pelo atendimento rápido e esclarecedor. Em geral, a maioria dispõe de atendentes via telefone ou chat para conversar e tirar dúvidas de consumidores. Tudo isso faz com que seja fácil esclarecer tudo antes da contratação.

Personalização de produtos

A aquisição de um seguro costumava ser algo padrão, igual para todos os clientes. No máximo, eram oferecidos pacotes que mais se adequassem a cada caso. A depender do caso, os corretores de seguros até tentavam dar uma facilitada para os clientes. Mas o fato é que a liberdade de personalização era pouca ou nenhuma.

Com a chegada das startups de seguros, esse cenário antiquado e nada moderno mudou. O consumidor pode escolher serviços e experiências personalizadas, de acordo com a sua demanda e necessidade.

Com isso, é possível buscar serviços extras, que não estavam inclusos, remover algumas coberturas e até mesmo obter preços melhores.

Preços mais competitivos

Outro dos principais benefícios das startups de seguros são os preços melhores e mais competitivos, que decorrem da personalização dos serviços. É possível, por exemplo, selecionar apenas um serviço que melhor atende às suas necessidades, e pagar apenas por essa contratação especificamente. Sendo desnecessário, portanto, investir em um pacote que não precisa.

As insurtechs priorizam, entre seus preceitos, a flexibilidade de serviços e contratos. O que beneficia o cliente de forma direta. Outro fator que ajuda os preços a serem melhores é o digital.

Por conta da desnecessidade de um deslocamento físico para assinatura do contrato ou até mesmo atendimento, o cliente economiza tempo e dinheiro. Assim como é uma economia para a startup, que pode deduzir esse valor dos preços praticados, a fim de manter um mercado mais competitivo.

Atuação de acordo com a legislação

O último dos benefícios que vamos apresentar é um dos mais relevantes. Apesar de toda essa facilidade, quem procura proteção também busca por tranquilidade. Por isso, pode ficar tranquilo que o mercado de insurtechs e demais startups similares está previsto em lei.

A Resolução nº 359/2017, que alterou a Resolução CNSP nº 294/2013, estabeleceu regras específicas para seguros privados. E é bom ressaltar que ela foi aprovada pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP).

Isso significa que a atuação de startups de seguros no território nacional é legalizada, assim como a adesão a seus serviços.

Como as insurtechs se relacionam com a onda de Open Insurance?

Por fim, vamos falar um pouco sobre a onda de Open Insurance, e mostrar como as insurtechs se relacionam com esse conceito. Antes de mais nada, você já ouviu falar do termo Open Insurance?

O Open Insurance é uma evolução que ocorre atualmente no mercado de seguros. A inspiração vem do Open Banking, sistema de compartilhamento de dados que já está mais bem implementado. Seu objetivo é tornar regras mais simples, por meio da "libertação" do segurado.

Isso significa que o beneficiário vai poder escolher, no mercado, qual das empresas seguradoras melhor atende às suas necessidades. Esse modelo de seguros ainda se encontra em estágio de elaboração pelo órgão ao qual compete essa atribuição (Superintendência de Seguros Privados — Susep).

A previsão de começo do funcionamento do sistema é para ainda no ano de 2021, no dia 15 de dezembro. Seus benefícios incluem mais facilidade de acesso aos dados, maior agilidade na comunicação e a desburocratização dos contratos de seguro.

A relação startups de seguros e Open Insurance

Como mencionamos, as startups de seguros, ou insurtechs, são um conceito mais bem implementado no mercado de seguros atual. Ao contrário do Open Insurance. O Open Insurance tem como premissa básica a colaboração entre as empresas para o melhor aproveitamento de serviços por parte do beneficiário.

Enquanto as insurtechs, por sua vez, oferecem serviços desburocratizados e por meio de plataformas digitais e tecnológicas há cerca de uma década.

O Open Insurance é um conceito pronto, porém, ainda em estágio de elaboração e legalização. A etapa de implementação vai, segundo a programação, até o ano de 2023.

Quais são as tendências para os próximos anos?

Com tantas inovações tecnológicas acontecendo em todos os ramos, quais devem ser as tendências para os próximos anos? Neste tópico, vamos falar um pouco sobre as inovações que devem permanecer nos próximos anos. Confira!

Uso de inteligência artificial

A primeira tendência que já é implementada e vai ficar ainda mais forte é o uso de IA, a famosa inteligência artificial. O perfil do segurado é algo sagrado para as startups de seguros, que analisam comportamentos e tendências de compra para entender como agradar o seu consumidor.

Ao personalizar os serviços e dar mais vantagens, de forma inteligente, é possível melhorar os lucros e ter mais sucesso como empresa.

Atendimento via assistentes virtuais

Hoje em dia, o cliente quer saber algo no momento em que a sua dúvida surge. Por isso, o uso de atendimento por meio de chatbots, aplicativos de mensagens programadas e assistentes virtuais levam as insurtechs ao topo. 

Essa tendência ajuda não apenas as companhias, mas também os usuários que estão na fase inicial de consideração e precisam de informação.

Digitalização dos processos

Realizar serviços de modo online é uma das tendências que não vai diminuir tão cedo. Muito pelo contrário, só cresce a cada dia. Isso porque, hoje em dia, preza-se mais ainda pelo tempo gasto em filas, viagens e deslocamentos que poderiam ser evitados.

Quanto mais o digital puder ajudar o cliente, melhor para a empresa e seus serviços.

Diminuição da burocracia

Cada vez mais, a redução dos processos burocráticos é um atrativo a mais para o cliente atual. Por isso, essa é uma tendência que tende a apenas aumentar e se tornar diferencial para diversas empresas.

O tanto de papelada, contratos e demais processos burocráticos que devem deixar o mercado nos próximos anos não está no papel. Literalmente. Tudo isso para dar lugar a contratos mais transparentes, assinados de forma online e simples.

As insurtechs são inovações que visam tornar a experiência do usuário melhor. Nesse caso, no contexto de empresas seguradoras. Vale a pena se informar acerca do assunto, para poder desfrutar dos benefícios de sua implantação. Quanto menos custos e mais diferenciais, melhor o desempenho das startups de seguros. Estima-se que, nos próximos anos, elas conquistem parte ainda maior do mercado de seguros.

Você gostou do nosso conteúdo? Esperamos que tenha sido de grande ajuda para saber um pouco mais sobre as insurtechs e tudo mais que concerne a esse tema. Se você gostou do post, outras pessoas também podem aproveitar a leitura. Por isso, compartilhe o post nas suas redes sociais com seus amigos!

Comentários (0)

Carregar mais comentários